NESTA TERÇA-FEIRA (11/08) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 – RUA JOSÉ BONIFÁCIO X RUA 1º DE MAIO (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H.

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, através do auditor Valdenir Antonio Polizeli, julgou irregulares os fatos narrados na Tesouraria do Município de São Carlos no exercício de 2016, O ex-prefeito da época, Paulo Altomani, foi multado em 200 UFESP’s devido às irregularidades verificadas. 

Na decisão, o órgão salienta que os confrontos de documentos efetuados pela Fiscalização revelam sérias inconsistências na apuração dos resultados financeiros da Prefeitura, bem como pendências nas conciliações bancárias. Ainda segundo o auditor, os desacertos são capazes de gerar prejuízo ao erário público. 

Entre as falhas apontadas no relatório, estão: manutenção no Boletim de Caixa de disponibilidades de valores inexistentes por se tratarem de cheques devolvidos; receita arrecadada contabilmente que não ingressou no financeiro; intercâmbio de receita através de pagamentos com recursos diversos dos contabilizados nas notas de empenho, mesmo tratando-se de contas vinculadas; inconsistências na apuração dos resultados financeiros, em razão da não contabilização dos cheques em trânsito; pendências nas conciliações bancárias referentes a cheques devolvidos; valores recebidos e contabilizados pela Tesouraria, porém, não houve o depósito desses valores na conta bancária e vultosas pendências nas conciliações bancárias da conta corrente destinada à movimentação de recursos do Fundo de Participação dos Municípios relativas a valores não lançados pela contabilidade durante o Exercício de 2015. 

O auditor ainda destacou que a Administração Pública, mesmo alertada por ocasião dos acompanhamentos do 1º e 2º quadrimestres, não se interessou em solucionar as graves impropriedades na Tesouraria do Município de São Carlos. Demonstrando, segundo ao auditor, total descuido da autoridade responsável com a coisa pública, cuja conduta não se coaduna com os princípios que regem a Administração Pública dispostos no art. 37, caput, da Constituição Federal. 

Denota também ofensas aos Princípios da Transparência Fiscal (parágrafo 1º do artigo 1º da Lei de Responsabilidade Fiscal), do Regime de Apropriação e da Evidenciação Contábil (artigos 35 e 83, da Lei Federal nº 4.320/64). (Com informações Jornal Primeira Página) 

 



Comentário(s) 

cesar | 14 Junho 2020
Se esse homem sair candidato, tem que internar ou mandar para um circo. kkkkkkkk