NESTA TERÇA-FEIRA (04/08) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA COMENDADOR ALFREDO MAFFEI (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

O vereador Leandro Guerreiro denunciou nesta sexta-feira que cerca de 1,5 toneladas de carnes, que seriam destinadas à merenda escolar, ficaram impróprias para consumo humano.

As carnes estragaram após um curto-circuito na rede elétrica da câmara fria localizada na Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Após o caso tornar-se público, o prefeito Airton Garcia determinou a abertura imediata de sindicância interna para apurar a perda. 

“Esse é o presente que o prefeito dá quando fecha uma prefeitura por tanto tempo. Se a prefeitura estivesse funcionando, teria tempo de verificar e consertar a situação”, disse Guerreiro ao mostrar as carnes estragadas em uma transmissão pela rede social. 

Guerreiro isentou o secretário Paraná Filho pela perda das carnes. “O culpado é o Airton Garcia, ele é o chefe e deveria esperar que algo assim acontecesse”. 

Paraná Filho salientou que se a Secretaria não estivesse funcionando no dia de ponto facultativo, o prejuízo teria sido maior, pois também haveria a perda de 900 kg de carne do restaurante popular. 

Outro lado - O prefeito Airton Garcia determinou a abertura imediata de sindicância interna para apurar a perda, para consumo humano, de 1.396 quilos de carne da merenda escolar em virtude de problemas ocorridos na câmara fria da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. 

Os produtos (270 kg de patinho em cubos; 380 kg de patinho em tiras; 388 kg de peito de frango; 354 kg de coxa sobrecoxa de frango e 4 kg de sobrecoxa de frango em cubos), um prejuízo de R$ 19.995,74 aos cofres públicos, abasteceriam por dois dias as 59 unidades escolares do município. 

De acordo com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento essas carnes estavam armazenadas nas próprias escolas, porém em virtude das férias escolares, foram transferidas para a câmara fria. 

O abastecimento das escolas será realizado normalmente para o início do ano letivo, não alterando portanto o valor nutricional da merenda escolar. 

As carnes já foram avaliadas pela Médica Veterinária Mariana Coelho que autorizou a utilização dos produtos na alimentação de animais do Parque Ecológico de São Carlos.



Comentário(s) 

+4
leitor irritado | 04 Janeiro 2020
Como é? o prefeito é culpado e o secretário, não? O tal guerreiro está querendo livrar a cara do amigo, ou só brincando de fiscalizar? Paraná e Aírton são igualmente culpados. Aliás, todos aqueles que deveriam cuidar das boas condições do alimento devem prestar depoimento na sindicância e responder criminalmente. A câmara vai omitir-se, ou cumprir sua obrigação de investigar o caso?Denuncie-se o fato ao Ministério Público e os culpados não ficarão impunes.