Nesta sexta-feira (16/08) os radares móveis estarão operando nos seguintes locais: 

RADAR 1 - Rua Miguel Petroni (RODOVIA/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 2 - Avenida Comendador Alfredo Maffei (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 3 - Avenida Trabalhador São-carlense - (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

O vereador Julio Cesar (PL) avaliou que está ocorrendo um retrocesso na saúde pública no município, referindo-se à não aplicação de leis que preveem medidas para ajudar a população. Ele citou como exemplo os casos das leis de sua autoria que estabelecem a obrigatoriedade da apresentação da carteira de vacinação para matrícula de crianças na rede de ensino no Município, e a distribuição gratuita em domicílio de medicamentos de uso contínuo às pessoas com deficiência motora, multideficiência profunda, com dificuldade de locomoção e idosos. 

Ele observou que a primeira foi motivada por um levantamento que indicou que o número de crianças vacinadas após campanha de vacinação estava abaixo da média necessária. “Elaboramos o projeto, que foi aprovado pela Câmara e a lei foi sancionada pelo prefeito, mas não foi colocada em prática”, afirmou.

Julio Cesar acrescentou que o objetivo é buscar que haja bom senso por parte dos responsáveis pelas crianças. “É preciso buscar mecanismos para equacionar esse tipo de situação”.

Ele criticou a administração municipal citando recente levantamento apresentado pelo vereador Elton Carvalho, que apontou falta de dipirona e benzetacil na rede municipal. “Parece coisas pequenas, mas estamos falando de vidas. Quando um governo está estagnado é ruim para a cidade, não há políticas públicas que ajudem a população, e quando esse governo retrocede é uma perda imensurável”.

O vereador também declarou que com uma boa logística poderia ser implantada a lei de 2017 que determina a entrega de medicamentos em domicílio. “Agora, porque é uma lei do Julio César a Prefeitura não vai implantar? O secretário de Saúde anterior apresentou a caixa de entrega, tem pessoas sem condições de buscar o remédio. Senhor Secretário: tire meu nome meu nome da lei, mas coloque em prática isso”.

Ainda em alusão à paternidade da lei,  Julio Cesar dirigiu outro recado ao secretário: “Independente do meu nome, se vocês não implementarem este projeto de entrega de medicamentos a domicílio a pessoas que necessitam, não se preocupem; a população fique tranquila que em 2021 nós teremos esse programa em São Carlos, quanto a isso eu me comprometo”.



Comentário(s) 

0
Hamas | 09 Agosto 2019
É preciso buscar mecanismos para equacionar esse tipo de situação”. Perai , não foi para esse tipo de coisa que os nobres vereadores foram eleitos ? ou querem soluções prontas ?em 2021 se o povo acordar muita gente dessa casa que berra mas não resolve nada estará fora.Não esquecemos que o Julio Cesar , fez parte do governo Altomani e ajudou a jogar a cidade no lixo , principalmente a saúde.
+2
cesar | 08 Agosto 2019
Concordo com o desabafo desse caboclinho, mas quando foi presidente da câmara, fecharam UPAS e ele nem ai, Leandro Guerreiro pintava e bordava e ele se divertia, agora quer seriedade, a cidade está um caos, só no terceiro ano do Boné que ele aparece, começou a campanhaaaaa.