NESTA SEGUNDA-FEIRA (21/10) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS: 

RADAR 1 - Av. Comendador Alfredo Maffei (bairro/centro) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H; 

RADAR 2 - Av. Bruno Ruggiero Filho (shopping/rodovia) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H; 

RADAR 3 - Rua Miguel Petroni (bairro/rodovia) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

 

A Câmara Municipal de São Carlos entregou na manhã desta sexta-feira (7), o Título de Cidadão Honorário de São Carlos ao Secretário-Diretor Geral do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), Sérgio Ciquera Rossi.A solenidade ocorreu durante o 2º Conexidades, no Cenacon do Hotel Nacional Inn e foi conduzida pelo presidente do Poder Legislativo, vereador Lucão Fernandes (MDB). 

Em seu pronunciamento, Lucão falou da carreira de Sérgio Rossi e ressaltou que o título é uma forma de agradecê-lo. “É uma forma de expressarmos todo o nosso reconhecimento e nossa gratidão, pelo brilhante trabalho que o Dr. Sérgio vem desenvolvendo a frente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Mais uma alegria para mim, como presidente legislativo, presidir os trabalhos do 2º Conexidades e entregar esse título a uma pessoa da envergadura do nosso homenageado. Para mim, é uma coisa que vai ficar marcada na minha história”, relatou. 

Sérgio Rossi agradeceu ao título e relatou que recebê-lo é a demonstração da certeza de que cumpriu seu papel com muita responsabilidade. “Vejo nessa concessão, o reconhecimento pelo trabalho que tenho desempenhado no Tribunal de Contas e acho que esse título não é meu, é do Tribunal de Contas do Estado. Eu recolho o título, que está no meu nome, mas na verdade é o Tribunal que me deixa, com uma emoção imensa, tornar-me, mais uma vez, cidadão, agora de São Carlos, cidade querida da trajetória da nossa vida”, comentou. 

No Tribunal de Contas do Estado de São Paulo desde 1970, quando ingressou mediante concurso público, Sérgio Rossi ocupou cargos administrativos e técnicos. Como auditor, atuou na fiscalização financeira, e como advogado, foi chefe da assessoria jurídica, chefe de gabinete da presidência por vários anos, e Secretário-Diretor Geral desde 1989. 

Atingiu o reconhecimento unânime por parte de todos os Tribunais de Contas pela conduta conciliadora, extrema devoção ao controle externo e notadamente pelos atributos pessoais da simpatia, cordialidade, competência profissional e lealdade. 

Especialista em legislação e administração pública, particularmente no tocante à Lei de Improbidade Administrativa e a Lei de Responsabilidade Fiscal, Dr. Sérgio se destaca por transmitir a vereadores, prefeitos e servidores em todo o Estado, instrução e orientação nas ações referentes à administração pública. Integrante da Comissão que elaborou o anteprojeto da Lei de Licitações, como especialista em matéria de controle externo, ministra palestras em eventos, simpósios e congressos promovidos pelos Tribunais de Contas do Brasil. Nessas ocasiões aborda mais especificamente, temas reativos à Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Cidadão que valoriza a família e os amigos, ao lado da conduta leal, construtiva e educativa em seu trabalho, destaca-se também como benemérito, atuando como voluntário no Instituto de Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho. 

“Agraciá-lo com o título de Cidadão São-carlense nos enche de satisfação e orgulho, pois sua história de vida guarda semelhança com as de seus novos concidadãos e a história da cidade que o recebe de braços abertos”, finalizou Lucão Fernandes. 

Os vereadores Moisés Lazarine, Roselei Françoso e Daniel Lima, bem como, o prefeito Airton Garcia; o presidente da UVESP (União dos Vereadores do Estado de São Paulo); o secretário municipal de Governo, Dr. Edson Fermiano; o secretário geral, o diretor legislativo e o diretor financeiro da Câmara Municipal, respectivamente, Rodrigo Venâncio, Netto Donato e Paulo Bolzan, também participaram da solenidade.  



Comentário(s) 

0
leitor assíduo | 19 Junho 2018
Boa iniciativa, vereador. Você pode ter um trabalho ainda mais efetivo, se propuser a reforma do camelódromo. Aquilo está um nojo, uma vergonha para a cidade. Inventado pelo pt, o camelódromo seguiu a prática de fazer, mas fazer malfeito, fazer nas coxas, só por fazer. Veja, v.g., a reforma do teatro municipal, um acinte ao bom gosto e um atentado à arquitetura original; as obras da FESC no campo do Rui Barbosa, cuja canja de bocha está fora dos padrões oficiais e o entorno (muros) mal acabados; a praça do mercado, com o piso padrão de uma empresa favorecida pelo pt. Não suportou a trepidação das águas do rio Gregório e está com aspecto de podre. Por favor, proponha a remoção do camelódromo para um espaço próximo e construção digna daqueles que nele trabalham e frequentam.