OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO EM OPERAÇÃO NESTA SEGUNDA-FEIRA (17/6) NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA TRALHADOR SÃO-CARLENSE (RODOVIÁRIA/USP) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA BRUNO RUGGIERO FILHO (BAIRRO/shopping) - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - RUA MIGUEL PETRONI - (RODOVIA/CENTRO) - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

O prefeito Airton Garcia, acompanhado do secretário da Fazenda, Mário Antunes, recebeu na manhã desta quinta-feira (27), o presidente da Câmara, vereador Júlio César, o secretário geral da Câmara, Rodrigo Venâncio e o diretor Financeiro, Paulo Roberto Bolzan, para a devolução de R$ 1.596.522,42, economizados pelo legislativo ao longo do ano de 2018.

“A economia é resultado da gestão eficiente da Câmara Municipal e do empenho dos vereadores e servidores. Passamos o ano investindo em ações mais eficientes e na conscientização de todos. Essa é a contribuição do legislativo para que a administração possa continuar investindo na solução dos problemas da cidade”, afirmou o vereador e presidente da Câmara, Júlio César.

Os recursos serão destinados a áreas prioritárias para a população, como a continuidade das cirurgias eletivas e também para atender dois asilos. “A devolução de recursos da Câmara é muito importante para o município. Esses valores poderão ser utilizados na folha de pagamento e nas demandas passadas pelos vereadores que serão atendidas em janeiro. O dinheiro nos ajuda a equilibrar nossas despesas no final do exercício fiscal”, informou Mário Antunes, secretário de Fazenda.

Durante o encontro no gabinete, o prefeito Airton Garcia destacou o trabalho da Câmara em 2018. “A Câmara tem colaborado muito com a administração e com a cidade. O diálogo tem sido importante, respeitando a independência e a harmonia entre os poderes. A devolução do dinheiro demostra que a Câmara também está controlando as despesas, como fazemos diariamente na prefeitura”, disse o prefeito.

O orçamento da Câmara é 6% do orçamento do município, nos anos de 2017 e 2018, o legislativo usou 4,5% do total.

 



Comentário(s) 

0
leitor assíduo | 03 Janeiro 2019
Se devolveram, foi porque sobrou. Se sobrou, foi porque o repasse esteve além do necessário. Não é motivo para comemorar, mas razão para rever os repasses feitos à câmara. Vereadores e prefeito são funcionários da população. Devem-lhe prestar contas dos gastos com custeio e investimentos. Quando a população criar o hábito de frequentar as sessões da câmara e a cobrar o prefeito, as verbas municipais de quaisquer origens serão bem utilizadas, porque político se borra quando o povo lhe cobra austeridade, honestidade e transparência.
A propósito, dizem que o Ministério Público está de olho na Secretaria de Esportes. Será verdade?
0
cesar | 31 Dezembro 2018
Resumindo, não fizeram nada por isso não gastaram, economizando onde, autorizaram o aumento de secretarias e aumento de funcionários, endividando a cidade com a folha de pagamento e com isso diminuem a receita para ser utilizada na saúde, merenda de péssima qualidade, limpeza, segurança, etc. Os edis trabalharam contra a população.