NESTA QUARTA-FEIRA (16/10) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS: 

RADAR 1 - AV. TRABALHADOR SÃO-CARLENSE (CENTRO/ BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - RUA MIGUEL PETRONI (BAIRRO/RODOVIA) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AV. JOÃO DE GUZZI X RUA MARCOS VINICIUS DE M. MORAES - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

 

A falta da proteína carne na alimentação fornecida na merenda das escolas e creches municipais de São Carlos, voltou a provocar debate entre os vereadores na sessão camararia na última terça-feira (06). No cardápio desta semana  constou o fornecimento de cenoura refogada, virado de abobrinha, batata e até salada de pepino.

“Não é justo uma criança comer arroz, abobrinha e farofa que não desce nem com muita água. Antes, a merenda era composta de ovos; hoje, não tem sequer os ovos”, reclamou o vereador Roselei Françoso (Rede).

Chico Loco (PSB) ironizou o cardápio dos alunos da Rede Municipal de Educação. “A única proteína que temos nas alimentações das crianças é o leite. Do resto, estão servindo uma alimentação vegana”.

O secretário de Agricultura e Abastecimento, Deonir Tofolo, admitiu a falta de carne na merenda das crianças e  confirmou que para remediar a ausência de proteína, fornecia os produtos dos Restaurantes Populares. Tofolo disse que houve um problema na licitação da carne vermelha.  A respeito das carnes de frango e suína, ele explicou que a licitação fracassou em partes.  Sobre a proteína peixe, Deonir Tofolo explicou que 3 mil quilos de tilápia dos Restaurantes Populares seriam enviados à merenda das crianças.



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo