Imprimir esta página

A Promotoria de Justiça de Porto Ferreira participou nesta segunda-feira (18/11), em conjunto com a Polícia Civil, de uma diligência que teve origem um mandado de busca e apreensão solicitado pelo MPSP após o recebimento de informações dando conta do envolvimento de um casal que estaria praticando tráfico de drogas na cidade, o que foi confirmado após levantamento preliminar realizado pela Promotoria.

Foram apreendidos no imóvel objeto de busca centenas de porções de drogas (420 eppendorfs de cocaína, 133 porções de maconha  fracionadas e prontas para serem comercializadas, 1/2 tijolo de maconha, 600 gramas de eppendorfs vazios); quase R$ 50 mil em dinheiro; um automóvel e uma motocicleta, bens oriundos da prática ilícita, bem como um revólver calibre 38 com numeração suprimida e 11 munições.

As investigações começaram depois que a Delegacia de Polícia de Porto Ferreira foi informada pelos promotores de Justiça Gustavo Zampronho e Leandro Viola  que foi encaminhada à Promotoria uma denúncia afirmando que Gabriel Henrique Rosa de Oliveira, vulgo "Biel", sua companheira Thanise Fernanda Vicente Marcílio e sua genitora Maria Aparecida Donizeti Garbin estariam praticando tráfico de entorpecentes, bem como guardariam no interior do imóvel em que residem uma arma de fogo do tipo pistola .40.      

Os promotores solicitaram mandado de busca à Justiça local, o qual foi deferido, e solicitaram ajuda policial para a execução da medida deflagrada nesta segunda-feira. Já haviam informações e investigações contra os investigados pela prática da traficância, notadamente Oliveira e Thanise.       

Ao chegar no imóvel que seria vistoriado os moradores foram abordados e disseram que nada de ilícito havia na moradia. Segundo os depoimentos, na garagem estaria um veículo da marca VW, modelo Gol, de placas FBC 1922, de Porto Ferreira, e, em um bar contíguo, uma motocicleta da marca Yamaha, XT 660 R, de placa DRZ 1254, de Porto Ferreira, ambos registrados em nome de Maria Aparecida.  

Um investigador e um dos promotores subiram no telhado e passaram a revistar o local tendo que retirar telhas para acessar a laje. Ali foi encontrada uma mochila com grande quantidade de dinheiro, em cédulas fracionadas, um revólver calibre 38, marca Rossi, desmuniciado, numeração suprimida, com 11 cartuchos íntegros do mesmo calibre.

Ao retirar as telhas, foi encontrada também uma sacola plástica, que continha 420 eppendorfs de cocaína, 133 porções de maconha, fracionados, prontos para serem comercializados, e um tijolo fracionado de maconha.  Perguntados quanto aos entorpecentes e a arma localizados, Oliveira e Thanise confessaram que praticavam a traficância em associação, sendo que, segundo eles, Maria Aparecida nada sabia a respeito da ação desenvolvida pelos mesmos.

Oliveira disse que havia adquirido a arma de fogo para se defender, pagando a um desconhecido RS2,5 mil, e que os veículos estavam no nome da sogra e a motocicleta havia sido comprada com o dinheiro auferido com a venda de entorpecentes, bem como uma bicicleta da marca Oggi. Foram apreendidos ainda no interior do imóvel três aparelhos celulares, os quais são de uso dos investigados.

O dinheiro foi contado no local e foi apreendida a quantia de RS 49.952,90 mil, que ambos confessarem serem provenientes da venda de drogas.  Diante dos fatos foi dada voz de prisão em flagrante delito ao casal. Os membros do MPSP foram ouvidos na delegacia para que seja convertido o flagrante em prisão preventiva. Os presos serão apresentados em audiência de custódia.



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores
e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.