NA TERÇA-FEIRA (14/07) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 – AVENIDA GETÚLIO VARGAS (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA DRº HEITOR JOSÉ REALLI (BAIRRO/RODOVIA) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 – RUA DRº MARINO DA COSTA TERRA (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H.

No final da manhã desta quarta-feira (25), o corpo da universitária Mariana Bazza foi encontrado em  Cambaratiba, distrito de Ibitinga, em um canavial. Ela estava amarrada e amordaçada.

A universitária estava desaparecida desde a manhã de terça-feira (24), quando saiu da academia e foi abordada por Rodrigo Pereira Alves, que ofereceu ajuda para trocar o pneu de seu carro, que estava furado.

Rodrigo foi encontrado escondido no telhado de uma casa na cidade de Itápolis. Em depoimento durante a madrugada, ele negou envolvimento no desaparecimento da jovem, porém, ainda na manhã desta quarta, confessou que havia matado a jovem e indicou o local onde o corpo dela estava.

O corpo foi encaminhado ao IML para exames. A Polícia Civil investiga se existem mais envolvidos no crime.



Comentário(s) 

0
leitor assíduo | 26 Setembro 2019
Esse é o tipo de c rime que não pode ficar impune. A sentença adequada seria a pena de morte, aliás, aplicável a qualquer crime hediondo. Há casos em que o estuprador de vulnerável é condenado a mais de nove anos de prisão, fica um ano e meio em ressocialização e obtém a progressividade para cumprir o resto do tempo em casa. Para crimes dessa gravidade não deveria haver progressão. Acontece no Brasil, onde os legisladores se identificam com os criminosos que protegem. Quando a sociedade alcançar o nível de consciência necessário e se dispuser a questionar essa indecência, a realidade poderá mudar. Até lá, o Brasil continuará sendo o país dos criminosos e dos canalhas e prejuízo do cidadão honrado e do homem de bem.