NESTA TERÇA-FEIRA (04/08) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA COMENDADOR ALFREDO MAFFEI (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

A cada dia vemos mais e mais pessoas comuns, de trabalhos estáveis e famílias bem estruturadas, adoecerem psicologicamente. Não é preciso ser um especialista para notar isso. Até quem está lendo este artigo pode estar passando por isso neste exato momento.  

O que antigamente, a partir de um pensamento mais tradicional, poderia ser considerado como uma "frescura", hoje a Psicologia já consegue diagnosticar problemas psicológicos gerados pelo trabalho excessivo e/ou exaustivo. Como depressão, ansiedade, pânico, a famosa síndrome de Burnout, entre outras.  

À medida que tais problemas crescem, aumentam também as soluções paliativas. Como evitar que a depressão invada minha empresa? Basta contratar um palestrante motivacional. Se ele for bom, a motivação irá surgir por um par de dias e depois irá desaparecer. Não basta o coach quântico, não basta aquela palestra que emotiva. 

Tudo isso, na verdade, é um sintoma. E muitas vezes, é proveniente de um ambiente sem empatia, altamente concorrido e hostil. É contra a natureza humana ser individualista, ou melhor, ter a percepção de que todos são concorrentes. Desde que a espécie humana pisou neste planeta, entre seus grupos de pertencimento, eles foram colaborativos.  

Primeiro, temos que parar de entender a depressão, a ansiedade, o pânico e tudo o que tem surgido na psique humana como uma doença. Mas sim, como um alerta de que é necessário transformar algo em nossas vidas. Se elas vêm ligadas às questões do trabalho, devemos olhar no que, como e o quanto estamos trabalhando.  

Como experiência própria, é difícil entrar em uma empresa, a pedido da chefia, para resolver o problema de comunicação e de inter-relação da equipe, se não existe um espaço na empresa que seja interacional, de troca de experiências, de ócio. Hoje, pelo custo/benefício, estamos vendo mais e mais pessoas trabalhando em lugares sem vida, sem cor, sem criatividade. Como ser criativo para resolver os problemas da empresa assim? 

Recentemente, tive a experiência de visitar um coworking chamado C.O.W., na Lapa, em São Paulo, e me surpreendi com o projeto. Escutei de um dos clientes que "quando entrei eu pensei que deveria tomar cuidado, pois o meu concorrente poderia estar do meu lado, porém, percebi com o tempo que poderíamos crescer juntos”.  

Senti no coworking um espírito de empatia, de leveza, que muitas empresas perderam e estão tentando resgatar de maneira superficial. Talvez seja interessante olharmos para esse movimento de colaboração – afinal, "cowork" e "colaborar" são a mesma coisa – para que possamos dar o pontapé em um novo modo de estar no mundo e servi-lo. Como diria Gandhi: "quem não vive para servir não serve para viver". 

*Leonardo Torres, Professor e Palestrante, Doutorando em Comunicação e Pós-graduando em Psicologia Junguiana
 


Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo