NESTA SEGUNDA-FEIRA (16/09) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS: 

RADAR 1 - Rua Miguel Petroni (CENTRO/RODOVIA) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H; 

RADAR 2 – Av. Francisco Pereira Lopes (USP/SHOPPING) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 3 – Av. Comendador Alfredo Maffei (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

No próximo sábado, 13, depois de uma breve inter-temporada, o São Carlos retorna a campo recebendo o Rio Branco em partida válida pela sexta rodada do Paulista B. A partida acontecerá às 15h no Campo de Água Vermelha e promete ser um confronto disputado em busca pela liderança: os rinocerontes estão na segunda posição da competição, apenas 2 pontos atrás do líder, Engenharia Mackenzie, enquanto os pelicanos são os terceiros colocados, 2 pontos atrás do São Carlos. Ou seja, quem vencer assume a liderança do torneio - ao menos, até o jogo entre Engenharia Mackenzie e ABC, no dia 20 de julho.
Ademais, esse será o quinto confronto na história entre as equipes, que conta com 1 empate, 1 vitória para o São Carlos e 2 vitórias para o Rio Branco:
 
São Carlos 14 x 14 Rio Branco (Amistoso, USP São Carlos, 14/05/05)
São Carlos 0 x 27 Rio Branco (Amistoso, USP São Carlos, 21/03/15)
São Carlos 29 x 0 Rio Branco (Amistoso, USP São Carlos, 12/03/16)
São Carlos 22 x 30 Rio Branco (Paulista A, Campo de Água Vermelha, 13/05/17)
 
"O Rio Branco é um dos times mais tradicionais do Brasil e detém 6 títulos paulista e 4 brasileiros e vem fazendo uma bela campanha no Paulista B deste ano", comentou Leonardo Carniato, atleta e Secretário Executivo do São Carlos. "Será um jogo bem disputado e interessante de assistir".
O São Carlos é patrocinado pela Fisio & Cia, pela Espaço Saúde Academia, pela Unicep e pelo Bar do Alex e conta com o apoio da Prefeitura Municipal de São Carlos, da Contabilidade Valverde e das Atléticas e Departamentos Esportivos da UFSCar e USP.


Comentário(s) 

+1
leitor assíduo | 23 Julho 2018
Se existirem evidências de irregularidades, não basta romper contrato, mas se faz necessário contratar auditoria externa para definir responsabilidades. Não se pode admitir lambança com a saúde pública.