NESTA SEXTA-FEIRA (15/12) RADARES MÓVEIS ESTARÃO NAS SEGUINTES VIAS: 

RADAR 1 – RUA LOURENÇO INNOCENTINI (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H; 

RADAR 2 – RUA DOUTOR MARINO DA COSTA TERRA (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H;  

RADAR 3 – RUA DOUTOR MARINO DA COSTA TERRA (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H;

A Secretaria de Serviços Públicos e a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia realizaram um encontro com proprietários e revendedores de pneus para discutir o descarte em São Carlos. Mais de 70 pessoas foram convidadas, mas apenas 15 compareceram. 

Desde 2015, um inquérito civil do Ministério Público cobra uma ação efetiva da Prefeitura de São Carlos em virtude do descarte irregular de pneus no município. “Hoje, a Prefeitura recebe os pneus nos ecopontos e encaminha para um galpão localizado na rodovia que liga São Carlos a Ribeirão Preto. Mas o descarte irregular é muito grande. Os pneus são jogados na beira de córregos e rios, em estradas rurais e em terrenos. Sem nenhum cuidado, representam um risco a saúde pública, já que podem acumular água e virar criadouro do mosquito da dengue”, afirmou Mariel Olmo, secretário de Serviços Públicos.

Durante o encontro, os secretários ouviram dos participantes os problemas enfrentados pelo setor, principalmente, a ampla atuação dos clandestinos e a falta de fiscalização. “Temos que ouvir essas pessoas, entender como está funcionando o descarte. E juntos fazer uma adequação, implantar uma coleta e descarte de forma correta. Só lamentamos que poucos compareceram”, disse Mariel.

Para o professor José Galizia Tundisi, secretário de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia, a reunião foi muito positiva e a Prefeitura mostrou ao setor que está disposta a resolver o problema. “Recebemos muitas informações de quem está diretamente ligado ao problema. Estiveram aqui donos de borracharias, revendedores de pneus que também tem interesse em resolver a situação. Surgiram ideias que permitiram um avanço significativo na questão dos resíduos sólidos, especialmente o descarte de pneus”, informou Tundisi.

Com um trabalho conjunto, será feito um cadastramento de todos os borracheiros e revendedores de pneus da cidade. “Nós queremos saber quem não é cadastrado e estimular aqueles que trabalham de forma clandestina a se formalizarem. A partir disso, estimular a criação de uma cooperativa, levantar recursos e fazer a gestão do descarte de pneus em São Carlos. Faremos uma nova reunião, agora convocando todos os envolvidos e assim, juntos, resolver definitivamente o problema”, afirmou o professor Tundisi.

Um dos participantes da reunião aprovou a iniciativa da Prefeitura, mas cobrou a participação de todo o setor. “É preciso discutir essa questão, pois hoje, temos dificuldades em descartar pneus. O frete é alto, assim, temos que juntar um volume grande, mas não temos espaço suficiente. O depósito também está lotado. Acho que passou da hora de enfrentar esse problema. Mas a Prefeitura tem que convocar todos para a discussão”, afirmou Silvio Marcondes, gerente de uma revendedora de pneus. 

Lei de Logística Reversa – A Secretaria de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia prepara a regulamentação da Lei 17.412, de 8 de abril de 2015, que dispõe sobre a destinação de resíduos sólidos através da logística reversa em São Carlos. A lei do então vereador Antonio Carlos Catarino dispõe sore o gerenciamento e devida destinação de resíduos sólidos através da utilização do instrumento de logística reversa no município.

Baseada na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a Lei estabelece a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos. A PNRS define a logística reversa como um “instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

 



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo