NESTA SEXTA-FEIRA (18/09) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA TRABALHADOR SÃO-CARLENSE (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA JOÃO DE GUZZI X RUA MARCOS VINICIUS DE M. MORAES - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA HENRIQUE GREGORI (SHOPPING/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

Jardins sensoriais, utilizados como ambientes não formais de ensino, além de proporcionarem o resgate dos sentidos humanos e um contato mais próximo a natureza, aguçam a percepção e podem contribuir com aprendizado. No Campus Lagoa do Sino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), o grupo de estudo "Pesquisa e Extensão Universitária em Fisiologia Vegetal" (PexFisio) vem desenvolvendo estudos sobre o uso do jardim sensorial como espaço não formal de ensino em Botânica.

Daniel Baron, professor do Centro de Ciências da Natureza (CCN) e coordenador do grupo, diz que o jardim sensorial "representa a oportunidade de observarmos a complexa e instigante vida das plantas em ambientes urbanos, especialmente em locais com reduzida área verde por metro quadrado".

Recentemente, o grupo analisou a utilização de um jardim sensorial implantado no Campus Lagoa do Sino junto a estudantes de 13 a 15 anos da rede pública de ensino. Espécies vegetais com características morfológicas específicas pertencentes a diferentes famílias botânicas foram introduzidas em um ambiente não formal de ensino - nesse caso o jardim sensorial - e com o uso de QR Codes as informações foram transmitidas auxiliando no processo de ensino e aprendizagem dos jovens.

Os resultados mostraram que a integração entre o jardim sensorial e as tecnologias adequadas, no caso o QR Code, foi capaz de contribuir e otimizar o aprendizado dos estudantes. Os resultados foram publicados em periódico cientifico (https://bit.ly/2AK4XZN) e também na forma de boletim didático de ensino (https://bit.ly/2zaSKgx).

Para Baron, o jardim sensorial se apresenta como uma ferramenta didática em Botânica na educação de jovens e adultos, acessível à sociedade como um todo, podendo ser implantado em escolas, praças e ambientes públicos com baixo custo de investimento.

"Busca-se, assim, superar a 'cegueira botânica' e dar à luz a importância dos vegetais em nossa vida", conclui.

Mais informações sobre o projeto e o grupo estão disponíveis no site do PexFisio (www.pexfisiols.ufscar.br).



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo