NESTA SEGUNDA-FEIRA (17/02/2020) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS: 

RADAR 1 - AVENIDA HENRIQUE GREGORI (BAIRRO/SHOPPING) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 2 - AVENIDA HENRIQUE GREGORI (SHOPPING/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 3 - RUA JOSÉ BONIFÁCIO X RUA 1º DE MAIO (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H.

 

A empresa Fragalli Engenharia Eirelli – EPP que após vencer um processo licitatório, foi contratada pela Prefeitura Municipal, para realizar as obras de revitalização da Praça Coronel Salles, protocolou um documento alegando que sua proposta de R$ 247.287,89 para a obra não tem mais validade.

Na justificativa a empresa alegou que a sessão de recebimento de envelopes e abertura do processo licitatório ocorreu em 05 de dezembro de 2019 e que desde a entrega da proposta se passaram 60 dias sem a efetiva “contratação” da mesma.

De acordo com publicação do Diário Oficial desta quinta-feira (13), o atual processo se encontrava na fase de empenho de valores para posterior encaminhamento para contratação.

Diante a manifestação da empresa a Comissão Permanente de Licitações decidiu rever os atos processuais, desclassificando a Fragalli Engenharia, retornando o processo à condição de propostas, convocando a segunda colocada, a empresa K2 Construções, para que ela se manifeste quanto ao interesse de assumir esta contratação pelo valor de R$ 247.287,89.

Projeto – O projeto de revitalização da praça Coronel Salles prevê ampliação e construção de canteiros, a reforma da pérgula, a instalação de pórticos metálicos, a recomposição do piso e eventuais manutenções, instalação de tomadas na lateral dos bancos próximo à pérgula, a substituição de lâmpadas dos postes, a manutenção de guarda-corpos, a instalação de corrimãos, a instalação de pisos táteis, o plantio de árvores, arbustos e grama em canteiros e vasos, a instalação de novos bancos e limpeza do piso. O prazo para conclusão da revitalização é de 180 dias.

 



Comentário(s) 

leitor intrigado | 13 Fevereiro 2020
Essa reforma precisa restaurar a utilidade da praça, que se perdeu depois da construção por conta de projeto inadequado. Essa recuperação deve retirar aquela suposta e horrorosa homenagem à campeã olímpica. A desistência não deve ter-se dado pela demora na contratação, porque a inflação no período de espera foi irrisória e não tonaria o preço inviável. A história está mal contada. Investigue-se e saber-se-á a verdade. Importa saber se os édsons secretários estão envolvidos nesse negócio. Se estiverem, fica fácil entender.
cesar | 13 Fevereiro 2020
Na China um Hospital para mais de mil pessoas em uma semana, aqui, transporte sem contrato, sujeira, caos, pedintes e para fazer um quarteirão de asfalto na general 40 dias, pensa na pior gestão da história, nossos fiscais edis, brincando de riquinho do mês e ano. Fora todos sem exceção.