NESTA SEGUNDA-FEIRA (16/09) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS: 

RADAR 1 - Rua Miguel Petroni (CENTRO/RODOVIA) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H; 

RADAR 2 – Av. Francisco Pereira Lopes (USP/SHOPPING) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 3 – Av. Comendador Alfredo Maffei (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

O emprego formal da cidade de São Carlos e os saldos admitidos/demitidos dos grandes setores econômicos foram analisados no informativo n.5 do mês de maio. No informativo ACISC 5, tratamos do saldo de postos de trabalho de São Carlos, que passou para 74.710 pessoas com carteira assinada. No mês de abril os setores da indústria, construção civil e comércio contrataram mais do que demitiram. Os setores de serviços e agropecuária, por outro lado, demitiram mais do que contrataram. Isso deixou a quantidade de postos de trabalho estável. 

A estabilidade do emprego no município foi acompanhada pela região administrativa Central. Mas, há alguns apontamentos relevantes que devemos considerar. São Carlos está inserido dentro da região Central do Estado de São Paulo, ao lado da cidade de Araraquara. As regiões administrativas são zonas criadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com finalidade de extração de informações por amostras estatísticas de maneira a caracterizar o comportamento, seja demográfico, social ou econômico de uma região. 

Na região Central do Estado, além da indústria, construção civil e comércio, o setor de serviços contratou mais do que demitiu. A agropecuária, por sua vez, tanto no município quanto na região central demitiu mais do que contratou.

Verifica-se na Tabela acima que os postos de trabalhos na indústria cresceram expressivamente no mês de abril, acompanhado pelo setor de serviços. O setor da agropecuária ao reduzir os postos de trabalho em 1.710 a mais do que contratou deixou a quantidade total de empregos estável, mas a qualidade do emprego foi alterada substancialmente, a exemplo dos rendimentos médios.

A recuperação discreta do emprego industrial na região central do Estado foi acompanhada pelo setor de serviços. O setor de serviços tem grandes conexões com diversas cadeias produtivas de todos os setores econômicos e também com a demanda por serviços pessoais. Indústria, comércio e serviços oferecem salários médios acima da construção civil e agropecuária. Logo, quando há expansão da atividade econômica desses setores, a economia como um todo se torna mais forte.

No Estado de São Paulo e no Brasil, o emprego industrial cresceu discretamente, de acordo com os dados da Tabela abaixo. O emprego industrial cresceu em todas as 15 regiões administrativas do Estado de São Paulo. Contudo, o cenário continua de apreensão, especialmente com o recuo do PIB em -0,2% no primeiro trimestre do ano. A produção física industrial brasileira recuou em -0,1% e -0,9% no Estado de São Paulo no mês de março (segundo a Pesquisa Industrial Recente do IBGE). Apesar desses resultados, a diversidade da indústria de transformação, com particular importância da agroindústria na região central, tem contribuído para a empregabilidade local.

Sobre
O Informativo Econômico ACISC é elaborado pelo Núcleo de Economia da ACISC em convênio com o Núcleo de Conjuntura, Finanças e Empreendedorismo do Departamento de Economia da UNESP Araraquara, sob a coordenação do Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande e supervisão do Presidente da ACISC José Fernando Domingues.

 



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo