OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO EM OPERAÇÃO NESTA SEGUNDA-FEIRA (17/6) NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA TRALHADOR SÃO-CARLENSE (RODOVIÁRIA/USP) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA BRUNO RUGGIERO FILHO (BAIRRO/shopping) - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - RUA MIGUEL PETRONI - (RODOVIA/CENTRO) - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

A Secretaria Geral de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (SGAS) da UFSCar realizou, no início deste mês, o plantio de 70 árvores em diversas áreas do Campus São Carlos. Essa é uma das ações baseadas em um amplo trabalho de levantamento, avaliação e monitoramento de árvores, que tem sido realizado desde o início do ano passado.

"Verificamos situações que colocavam em risco a segurança dos que frequentam o Campus: árvores já senescentes [em processo de envelhecimento] e mortas, galhos secos, estrutura desequilibrada etc. Sendo assim, no início de 2019, foram realizadas 150 podas e 12 remoções de árvores para manejo da floresta urbana do Campus e redução de risco", explica Gabriela Strozzi, engenheira agrônoma da SGAS. Os serviços foram executados por empresa especializada com o acompanhamento da Secretaria, respeitando as normas ambientais e com a autorização da Prefeitura Municipal de São Carlos.

A estimativa da SGAS é que o Campus São Carlos tenha aproximadamente 5 mil árvores urbanas. "No levantamento que iniciamos em 2018, foram avaliadas um total de 1.307 árvores presentes nos 38 estacionamentos do campus sede. Dessas, foram identificadas 66 espécies de árvores, sendo 37 nativas e 29 exóticas. As espécies mais abundantes foram a Caesalpinia pluviosa (conhecida popularmente como sibipiruna) com 236 indivíduos (20,4%); a Ligustrum vulgare (cujo nome popular é alfeneiro) com 165 representantes (14,3%), e a Salix babylonica (chorão) com 112 indivíduos (9,7%)", contabiliza Raquel Stucchi Boschi, engenheira agrônoma da SGAS. Esse trabalho ainda está em andamento e o objetivo final é a avaliação de todas as árvores.

As ações de manejo já foram iniciadas em fevereiro de 2019, sendo priorizados os exemplares que apresentavam maior risco. "Árvores sem o manejo adequado tornam-se mais sujeitas à queda, principalmente durante dias de chuvas com vento forte. Os riscos são grandes para toda a comunidade e podem afetar o trânsito, o fornecimento de energia elétrica e água, causar danos ao patrimônio e, na pior situação, às pessoas", detalha Boschi.

Beleza do Campus

Além do levantamento e manutenção das árvores que oferecem riscos, a SGAS realizou, em abril, o plantio de 70 árvores. "A UFSCar é reconhecida pela sua beleza ambiental e pela densa floresta urbana. As atividades realizadas visam à manutenção dessa beleza com redução do risco para toda a comunidade", explica Boschi. Entre as mudas selecionadas estão ipês, cedro e pau d'alho. "Optamos por espécies nativas e o cedro por estar na lista vermelha das espécies ameaçadas".

As mudas foram plantadas ao redor do Ginásio de Esportes, do edifício de aulas teóricas AT1 e no entorno das quadras esportivas. As áreas são definidas pelo Escritório de Desenvolvimento Físico (EDF), buscando sempre alocar as plantas nos locais onde não há nenhum impedimento, especialmente devido à presença de redes elétrica ou de água. A manutenção das espécies é feita pela Prefeitura Universitária (PU), com acompanhamento frequente da SGAS.

Além do trabalho conjunto de diversos setores da Universidade, a comunidade que frequenta o Campus também tem um papel decisivo na preservação das belezas do local e pode colaborar de diversas maneiras, "respeitando as áreas verdes e plantios recentes bem como evitando transitar pelos locais e não jogando lixo nas áreas", orienta Boschi. "Também pedimos que a comunidade nos avise sempre que observar algum dano às árvores ou alguma situação que possa representar risco como, por exemplo, um galho seco ou uma árvore seca. Além disso, pedimos para que não plantem árvores sem a autorização da SGAS". Os interessados em plantar árvores no Campus devem preencher o formulário para solicitação de plantio, disponível no site da SGAS.



Comentário(s) 

+1
leitor assíduo | 08 Maio 2018
Esses oportunistas só querem benesses. Quando não as conseguem, gritam, ameaçam e mostram a verdadeira face. São Carlos votou mal e paga o preço cobrado por essa camarazinha ordinária e esse prefeito sem autoridade. A cidade parece terra de ninguém. Vale tudo na política sem caráter que se instalou na cidade. Os mandatos em vigor deveriam ser revogados e convocada novas eleições para que os eleitores locais pudessem escolher melhores representantes. Lamentavelmente, faltam quase três anos para esse lixo ser varrido para o lixo da história. Que saibamos votar, nas próximas eleições. Ninguém merece tamanha vergonha!
+3
antenado | 07 Maio 2018
Aposto qualquer coisa que ou vão dar um jeito de arquivar ou nem levar adiante essa comissão. E se, por algum milagre for para frente, mais uma vez vai acabar em pizza. Sabe porque? Por que ali todos sabem de tudo mas ninguem faz nada. Depois das gravações que chegaram ao ouvido do prefeito que comprometem o homem de confiança dele e ele simplesmente ignorou, nada mais me surpreende. Não se enganem, ali não tem santo.
+4
Cesar | 07 Maio 2018
Até que enfim alguma providência lógica da Câmara, para ficar gritando e mais fácil colocar um papagaio, casa de leis tem cumprir e fazer cumprir a lei, agora esperamos apoio dos demais edis, exceto os covardes de sempre. Deveria ser criado o crime de estelionato eleitoral, para esses mentirosos, covardes e falastrões, fossem para seu devido lugar, cadeiaaaa.