NESTA SEXTA-FEIRA (07/08) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - RUA RUI BARBOSA (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 40 KM/H;

RADAR 2 - RUA MIGUEL PETRONI (BAIRRO/RODOVIA) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA JOÃO DE GUZZI X RUA MARCOS VINICIUS DE M. MORAES - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

Arlindo Basílio entrou com recurso no Tribunal de Justiça (TJ) na última 5ª feira (27) pedindo a absolvição do cabo F.H.T.


O policial militar é acusado de matar, em outubro de 2009, o operário Reinaldo Dias de Oliveira, de 27 anos, durante uma abordagem no Jardim Gonzaga.

Dois soldados que estavam com o cabo na Força Tática são denunciados pr fraude processual.

F.H.T. foi denunciado pelo Ministério Público (MP) por homicídio doloso (com intenção de praticar) e fraude processual.

À reportagem, o advogado Arlindo Basílio afirma que entrou com recurso alegando que o policial agiu em legítima defesa, o que vai na contramão da denúncia do Ministério Público, que enxerga dolo (intenção) no crime de homicídio.

O advogado afirmou que o recurso não tem prazo para ser julgado. Enquanto isso não há definição sobre se o policial será – ou não – levado a júri popular.

[n]O caso[/]

Reinaldo Dias de Oliveira, de 27 anos, foi morto na tarde do dia 15 de outubro de 2009, no cruzamento das ruas Felipe Beltrame com Salomão Schevz, no Jardim Gonzaga.

Oliveira conduzia uma Honda Titan, verde, placa DKL 6667-São Carlos, no interior do Gonzaga, quando foi visto em atitude suspeita pela equipe da Força Tática 38181.

Segundo a versão da PM, a vítima fugiu de uma primeira abordagem e só parou no cruzamento das ruas Felipe Beltrame com Salomão Schevz.

Quando desembarcou, ele teria levado a mão na cintura para sacar uma arma, foi onde acabou sendo baleado na nuca.

O disparo partiu da arma do cabo F.H.T. A versão apresentada pelos policiais foi contestada desde o dia do crime, testemunhas que viram a abordagem disseram que a vítima não estava armada e que ele também não resistiu à abordagem.


Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo