NESTA SEXTA-FEIRA (18/09) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA TRABALHADOR SÃO-CARLENSE (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA JOÃO DE GUZZI X RUA MARCOS VINICIUS DE M. MORAES - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA HENRIQUE GREGORI (SHOPPING/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

Oficialmente chamado de C/2020 F3, o cometa Neowise, visível no Hemisfério Norte desde o início do mês, agora pode ser observado nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. O corpo celeste pode ser visto no início da noite, próximo da linha do horizonte, à direita do pôr do Sol. 

“Ele é um dos mais brilhantes dos últimos 20 anos e, até dois dias atrás, era visível no Hemisfério Norte a olho nu. Agora ele está visível aqui no Hemisfério Sul, em particular na Região Sudeste do Brasil, porém está com o brilho um pouco mais fraco. Será um pouco mais difícil de observar a olho nu, mas com pequenos telescópios ou binóculos é possível observá-lo”, disse o físico e astrônomo da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Guaratinguetá, Othon Winter.

O cometa tem diâmetro aproximadamente de cinco quilômetros e é formado de gelo e poeira. Quando passa próximo ao Sol, como ocorre agora, libera gás, o que forma uma nuvem luminosa chamada coma, que envolve o núcleo do cometa. Junto dessa nuvem, formam-se duas caudas, uma de gás e outra de poeira, que se estendem por centenas de milhares de quilômetros, dando o formato característico do cometa.

O Neowise recebeu o mesmo nome do telescópio espacial da Nasa que o identificou, em 27 de março. Ele só voltará a ser visível na Terra a olho nu novamente daqui a 6,8 mil anos.



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo