NESTA QUINTA-FEIRA (01/10) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA COMENDADOR ALFREDO MAFFEI (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA HENRIQUE GREGORI (SHOPPING/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA BRUNO RUGGIERO FILHO (BAIRRO/SHOPPING) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

O Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano, decidiu hoje (16) subir suas taxas de juro de referência em 0,25 ponto percentual, o primeiro aumento desde 2006. Após uma reunião de dois dias, o Fed indicou que os juros básicos norte-americanos, que estavam próximos de zero, vão subir "gradualmente" a partir de agora.

Desde dezembro de 2008, no início da crise provocada pelo estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos, os juros básicos estavam numa faixa entre 0% e 0,25% ao ano, no nível mais baixo da história. As taxas foram reduzidas para estimular a economia norte-americana naquele momento.

Nos anos seguintes, o Fed promoveu injeções de dólares na economia mundial. No auge do programa, a autoridade monetária norte-americana chegou a injetar US$ 85 bilhões por mês por meio de compra de títulos públicos. Os estímulos monetários começaram a ser reduzidos em dezembro de 2013, dando início a um ciclo de alta do dólar em todo o planeta. As ajudas foram eliminadas em setembro de 2014.

Desde o encerramento do programa de estímulo monetário, o sistema financeiro esperava o momento em que o Fed voltaria a aumentar os juros. Inicialmente previsto para o meio do ano, o reajuste da taxa básica norte-americana foi adiado várias vezes por causa de números conflitantes sobre a recuperação da maior economia do planeta.

Juros mais altos nos Estados Unidos atraem dinheiro para economias avançadas, provocando a fuga de capitais financeiros de países emergentes, como o Brasil.

De acordo com o jornal The New York Times, a elevação da taxa de juros significa um voto de confiança na economia norte-americana em um momento em que muitos países ainda lutam para superar a crise na economia global.

O comunicado do Fed cita a força do crescimento do emprego e o contexto de expansão, ainda que moderado, como evidência de que a economia norte-americana não demanda mais a ajuda de empréstimos com juros extremamente baixos.

Em outubro, o Departamento do Comércio informou que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anual de 1,5% no terceiro trimestre de 2015.



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo