NESTA TERÇA-FEIRA (20/08) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS: 

RADAR 1 - Avenida Trabalhador SÃO-carlense (bairro/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 2 - Rua Joaquim Rodrigues Bravo (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H; 

RADAR 3 - Avenida Bruno Ruggiero Filho (BAIRRO/SHOPPING) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 kM/H.

O medo do desemprego entre os brasileiros caiu, segundo a pesquisa Termômetros da Sociedade Brasileira, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada hoje (19). Apesar de o desempenho da economia ter sido fraco, segundo a confederação, o Índice do Medo do Desemprego (IMD) registrado em novembro de 2012 sofreu redução de 1,1%, em relação a setembro, e de 2,6%, se comparado a novembro de 2011. A Região Sudeste é onde esse medo registra os índices mais baixos, 72,2 pontos, pouco menos que a média nacional, 74,5.

Para essa pesquisa, a CNI usa como parâmetro o ano de 2003, quando o índice foi fixado em 100 pontos. A partir daí, o medo do desemprego é medido de acordo com a variação em relação a esse ano. O medo do desemprego é maior nas regiões Norte e Centro Oeste, com o índice de 81,6 pontos. Em seguida, foram a Nordeste (75 pontos) e a Sul (74,2).

De acordo com o coordenador da pesquisa, o economista da CNI Marcelo Azevedo, o IMD é uma mensuração momentânea, feita por meio de uma pergunta direta, em que a pessoa responde se tem muito, pouco ou nenhum medo do desemprego no dia em que deu a resposta.

Para Azevedo, as perspectivas para esse índice em 2013 são positivas, especialmente levando em consideração o desempenho da indústria em 2012, que foi tido como fraco. "O índice agora é considerado bom, mas esperamos uma melhora para o ano que vem, em que a indústria deverá poder contribuir com a geração de emprego e a formalização", disse o economista.

Segundo ele, um dos fatores que contribui para a queda do medo do desemprego foi a formalização dos postos de trabalho em geral. Com a informalidade, a insegurança em relação à perda do emprego aumenta, devido à ausência de vínculos empregatícios e de amparo previdenciário.

Na pesquisa da CNI, também foi avaliado o Índice de Satisfação com a Vida (ISV), que teve recuo de 0,7% em novembro, se comparado a setembro de 2012, mas estável, se comparado a dezembro do ano passado. No mês passado, o ISV atingiu 105,3 pontos para o Brasil como um todo. O método de mensuração é o mesmo usado para o índice do medo do desemprego. A Região Sudeste também registra o nível mais alto de satisfação com a vida, 106 pontos; seguida pelas regiões Nordeste (105), Norte e Centro Oeste (103,7) e Sul (101,9).

O coordenador da pesquisa informou que não há relação direta entre o medo do desemprego e a satisfação com a vida. Daí ambos os índices terem registrado queda, apesar de indicarem tendências inversamente relacionadas. A queda do medo do desemprego poderia fazer a satisfação com a vida aumentar, e vice-versa, o que não ocorreu.  "O índice de medo do desemprego é uma mensuração muito mais pontual e direta, enquanto a de satisfação faz a pessoa levar em conta outras variáveis", explicou Marcelo Azevedo.

A pesquisa Termômetros da Sociedade Brasileira entrevistou 2 mil pessoas, em 142 municípios brasileiros de todos os estados da federação.



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo