Imprimir esta página

Foi com essa manchete que relatamos no portal SCDN, os estragos que as chuvas do último domingo (12), provocaram em nossa cidade. E por qual motivo usamos esse título. Simples: Não tem mais o que ser feito para resolver esse problema das enchentes em São Carlos. Sim, pode haver algumas medidas que irão minimizá-los, mas resolvê-los, pelo menos aqui no Brasil onde tudo se dá um jeito é impossível. Se com a velha política, onde os poderosos e os senhores da época, que não tinham interesses obscuros e faziam política na concepção da palavra, não conseguiram, imaginem hoje com a “nova política” que já dura ao menos umas quatro décadas em nosso país.

Não tem mais o que ser dito e nem escrito...II

A vidraça da vez agora é o prefeito Airton Garcia, afinal, ele é o mandatário do poder neste momento. Nessa história toda a única falha do prefeito foi esperar acontecer para correr atrás de verbas. Hoje mesmo o prefeito está em Brasília com uma comitiva “politica” para tentar obter recursos para a cidade.

Infelizmente

A comitiva que o prefeito levou para Brasília nesta quarta-feira (15), não tem nenhum técnico da área, isso nos preocupa, bem como o linguajar que o prefeito usa em seus pedidos. Hoje mesmo na rádio POP, os apresentadores do jornal (Nei Santos e Muller), fizeram umas cinco perguntas ao prefeito, ele não respondeu, nenhuma, só enrolou. Mas mesmo assim, desejamos de coração, sorte ao prefeito e a comitiva. Vai dar certo!

Estado de Emergência

A edição extra do Diário Oficial do dia 14 de janeiro trouxe a publicação de um novo Decreto de Estado de Emergência em São Carlos com atualização dos valores dos estragos após as chuvas de 167mm no domingo.

Estado de Emergência II

O Decreto inicial tinha um valor de R$ 12,5 milhões e o atualizado chegou a R$ 27,1 milhões, que deve ser a demanda do prefeito Airton perante as esferas estadual e federal.

Impermeabilização

Todo mundo agora fala da impermeabilização do solo, blá, blá, blá. E o “novo calçadão” na baixada da rua Episcopal o que fizeram em relação a isso? Só pioraram a situação. Concretaram tudo nas duas extremidades e transformou a rua Episcopal em um leito a céu aberto para o córrego do Simeão que passa logo abaixo. O resultado todos assistiram neste domingo.

Complexo

Apesar deste ser um problema extremamente complexo e que não pode ser totalmente resolvido, apenas atenuado, ele não estaria num nível tão calamitoso se as autoridades responsáveis tivessem agido com antecedência. Mas de que forma? Será que ainda é possível reduzir os atuais impactos? 

Artigo interessante

O internauta Ezequiel Luztosa, que se intitula como “um pobre diabo em busca de autoconhecimento. Amante da Biologia, História e Política”, escreveu um artigo a respeito do assunto, muito interessante e rico em detalhes. (Para ler clique aqui).

Interessante

Ele cita que “Apesar de esse problema ser do tipo extremamente complexo e que não pode ser totalmente resolvido, apenas atenuado, ele não estaria num nível tão calamitoso se as autoridades responsáveis tivessem agido com antecedência. Entretanto ainda é possível reduzir os atuais impactos, mas por um alto custo”.

Década de 30

O primeiro registro de inundação no Mercado só ocorreu em 1930, entretanto a partir de 1940 o número de inundações começa a crescer até se tornar algo comum em toda a cidade.

Vale a pena

O texto de Ezequiel cita ainda algumas medidas que deveriam ser tomadas para amenizar o problema. Uma delas trata sobre a arborização e cita até o calçadão “concreto” General. “E falando em arborização, porque não fazer isso nas regiões suscetíveis a inundações? Praças com gramas já tem solos permeáveis e, portanto é mais urgente modificar regiões asfaltadas para ter áreas com solo exposto para absorver águas da chuva. Por exemplo, o Calçadão da General Osório poderia ser todo arborizado, algo semelhante à Praça da XV. Isso não só melhoraria esteticamente o local, aumentando inclusive o comércio por atrair mais pessoas, como aumentaria a absorção da água. Assim como isso ser aplicado ao máximo possível na região”.

Renaturalizar

Outro alerta citado por ele: “Precisamos também urgentemente em áreas de baixada, recargas de rios e lençóis freáticos, entre outros pontos, renaturalizar. Isso significa plantar espécies naturais da região, retirar e desfazer todas as alterações humanas (como asfalto, diques, canos etc). Literalmente tentar tornar a região como Deus a criou. Pois só com a mata ciliar que rios terão sua vazão e capacidade de absorção suficientes para escoar a água das chuvas e reduzir inundações”. Por isso convido você leitor da coluna a acessar o link do artigo de Ezequiel (clicando aqui).

Pois bem

Mas para refrescar a memória de muitos, principalmente dos entendidos das redes sociais (São Carlos definitivamente virou a terra dos engenheiros e técnicos virtuais), iremos publicar na nossa galeria de fotos, imagens das manchetes dos jornais desde 1932, relatando os problemas e o estragos que as enchentes causam em nossa cidade.

Pois bem II

Vamos pular de 1973 para 1998, mas existem diversos episódios neste espaço de tempo, e iremos parar em 2004. Vale a pena conferir e conhecer um pouco dessa história triste de nossa cidade.

Isenção

O presidente da Câmara, Lucão Fernandes, foi procurado na tarde de ontem pelo presidente do Sincomercio, Paulo Gullo, o qual apresentou uma solicitação para isenção do pagamento do IPTU e da taxa de água, por dois meses, aos empresários do comércio.

Isenção II

Lucão disse que irá encaminhar uma indicação ao Poder Executivo, “pois o assunto tem que partir da prefeitura por se tratar de renúncia de receita. Esperamos que o prefeito tenha sensibilidade e alivie um pouco a dor e o sofrimento desses lojistas, que tem sofrido muito com essas enchentes, sobretudo, na baixada do Mercado Municipal”, revelou Lucão.

Solidários

Em um grupo de WhatsApp, Paulo Gullo escreveu que o momento é de ser solidários com os comerciantes e citou que grandes empresas vem para São Carlos e muitas vezes são concedidos isenções. Ele ainda cita porque não estender essas isenções para os comerciantes e moradores que perderam tudo nesta chuva do último domingo.

Ativo no zap

E o ex (será?) homem de confiança do prefeito Airton Garcia, Ademir Souza e Filho, está dando seus pitacos em um grupo ativo de WhatsApp aqui da cidade. Muitos deles super interessantes.

Ativo no zap II  

Nesta quarta-feira ele anunciou que está sendo criado uma ONG a “ALERTA SÃO CARLOS”. Sem fins lucrativos e sem dinheiro público, a ONG pretende ter apenas iniciativas de cidadãos para ajudar colocar São Carlos nos eixos. As primeiras iniciativas, segundo Dr. Adamir, serão tomar providências quanto às inundações no Monjolinho e Viaduto da Praça Itália. Ele convida a todos a participarem e ficou de anunciar ainda hoje os associados fundadores!

Mão na massa

Na coluna passada elogiamos aqui a rápida resposta de algumas secretarias da cidade, em relação a limpeza das áreas atingidas pelas chuvas. Gostei de ver, Muller, Ferraz e outros, trabalhando até de madrugada, auxiliando as equipes.

Mão na massa II

E aproveitando, vamos parar com essas bobagens de “ciuminhos” besta com a ajuda que Ibaté fornece nessas horas. Só gente de mente pequena, pensa assim.

Não pode

Sabemos do caos que a cidade está vivendo devido as chuvas, mas deixar o pessoal do Jardim Gonzaga sem água três dias é complicado. Já não basta as dificuldades daquela região, ficar sem água não pode.

Não pode II

O vereador Leandro Guerreiro, tomou as dores dos moradores e ficou lá no bairro até madrugada de hoje, esperando o SAAE dar um jeito no problema. Lógico, isso só aconteceu, após o vereador “meter o pau” com suas lives nas redes sociais.

Vai lá na Santa Felícia

Leandro, os moradores da grande Santa Felícia já não aguentam mais também ficar sem água e olha que lá é direto. Que tal dar umas voltinhas por lá também? A população agradece.

Falando nele

Leandro comunica que na próxima sexta-feira (17) na Câmara Municipal, irão ocorrer a primeira reunião do Patriota, da qual ele é presidente do diretório municipal. É uma oportunidade para você que quer ser candidato a vereador. “Você pode oferecer algo bom para São Carlos? Pode realmente oferecer algo bom para o próximo? Então venha para o Patriota”, escreveu Leandro. A reunião tem início às 19hs.

Até sexta

“O sistema de macrodrenagem de São Carlos se encontra em condições precárias de funcionamento devido às inundações, falta de manutenção de canalizações e com seções estranguladas inadequadas […]”. Mestranda de Engenharia Andrea Monteiro Lira pela USP (em 2003). Fale conosco: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores
e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.