NESTA SEXTA-FEIRA (14/12/18) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO NAS SEGUINTES VIAS: 

RADAR 1 – RUA CORONEL JOSÉ AUGUSTO DE OLIVEIRA SALLES, PRÓXIMO AO SESI - CENTRO/BAIRRO - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H; 

RADAR 2 – RUA CORONEL JOSÉ AUGUSTO DE OLIVEIRA SALLES, PRÓXIMO AO SESI - BAIRRO/CENTRO - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H; 

RADAR 3 – AVENIDA GETÚLIO VARGAS OPOSTO AO GINÁSIO MILTON OLAIO FILHO - CENTRO/BAIRRO - VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 M/H.

 

 

O prefeito Airton Garcia, acompanhado do diretor de Políticas Institucionais, Samir Gardini, entregou na manhã desta quinta-feira (20), Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para a Defesa Civil. Entre os produtos entregues botas, bonés, coletes, capas de chuva, fitas de isolamento e uniformes completos adquiridos pela Prefeitura e alguns doados pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil.

“O uso dos equipamentos é de grande importância para garantir a segurança no trabalho, principalmente nessa área que envolve bastante risco”, afirmou o prefeito Airton Garcia.

Os materiais serão usados pelos agentes, membros e voluntários da Defesa Civil. “A Defesa Civil é um órgão importante para a cidade. Estamos próximos do período chuvoso, e há necessidade de EPIs e também equipamentos para poder prestar um serviço melhor. Parte deles foi encaminhada pela Casa Militar e outra parte adquirida pela Prefeitura. Há alguns anos esses equipamentos não eram adquiridos”, afirmou Samir Gardini, diretor de Políticas Institucionais.

A Defesa Civil também recebeu um aparelho autônomo para a realização de trabalhos em áreas confinadas, com ar rarefeito ou contaminado. “Esse equipamento foi doado pelo Instituto de Química da USP-São Carlos. Todos os materiais são de extrema importância porque atende a política de proteção as pessoas que trabalham com a Defesa Civil durante as emergências. Essas pessoas não podem fazer parte do problema e sim ajudar na solução. São equipamentos que protegem os agentes durante um momento da chuva, da enchente ou de outro serviço emergencial”, afirmou Pedro Caballero, coordenador da Defesa Civil de São Carlos.

Comentário(s) 

+5
Eleitor | 14 Novembro 2017
Fui para sta Catarina, lá todas cidades têm Uber desde as maiores joenville a pequena Brusque, ou seja o Brasil aderiu ao Uber, será que seremos exceção e mais uma vez a capital da tecnologia fica de fora por causa de políticos e sindicatos mafiosos viciados.
+4
Hamas | 14 Novembro 2017
Bate boca no legislativo por picuinha é foda , mas o cidadão comum também precisa saber se seus nobres edis , estão alinhados com o crime organizado , cabe sim uma explicação aos eleitores.
+7
Observador | 11 Novembro 2017
Que vergonha... O Mimi dando escândalo na Câmara, enquanto podia estar resolvendo a Emergencial do Transporte Coletivo. Essa pessoa está achando o quê; que nós usuários do transporte coletivo somos otários???? Meu querido, há duas semanas atrás, era pra ter sido lançada a Emergencial do Transporte, mas quê!!! Tinha que pôr esse cara pra andar todo dia de ônibus. Fazer ele ir e voltar do "serviço" dele usando o transporte coletivo. Aí eu queria ver, se essa licitação não saia rapidinho... Escrevam o que vou dizer. Eles estão esperando só os ônibus novos chegarem em Mauá para abrir a licitação aqui. Será depois do dia 09/12. Eles vão esperar a suzantur despejar os lixos velhos de Mauá aqui. É por isso que a licitação não sai. Esperem para ver...
+13
leitor assíduo | 10 Novembro 2017
Motorista de Uber, também, vota. Se os políticos amarelarem na resolução do assunto, que está em discussão no congresso nacional, poderão ficar sem os votos dos que trabalham com o aplicativo. Na verdade, como sugere a coluna, não dá para ignorar os com[...]dores em benefício dos fabricantes de máquinas-de-escrever. Taxista inteligente adere aos aplicativos e não os combate, porque essa tendência veio para ficar. É o futuro do transporte nas cidades, porque custa mais barato que bilhete de ônibus e respeita o usuário, oferecendo-lhe conforto e privacidade. Se os políticos locais insistirem no comportamento atrasado, caberá à população situá-los.