NESTA TERÇA-FEIRA (13/11/18) OS RADARES MÓVEIS ESTARÃO NAS SEGUINTES VIAS: 

RADAR 1 – RUA RAY WESLEY HERRICK (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H; 

RADAR 2 - RUA RAY WESLEY HERRICK (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H. 

RADAR 3 - RUA DR. MARINO DA COSTA TERRA (BAIRRO/CENTRO) – VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 50 KM/H.

Todos são inocentes até que se provem o contrário. A frase é batida, mas é válida para resumir a história que cerca o desfalque de R$ 375 mil de 10 cheques dos cofres da Prefeitura de São Carlos. O servidor José Sérgio Monsignati, nas duas últimas semanas, está sendo execrado. Aqui não queremos pintar a imagem de “coitadinho” do ex-diretor de Finanças, mas o que acontece nos últimos dias é algo inaceitável.

Acompanhamento

Altomani disse, na Rádio Universitária, que o servidor, em sua sala, teria confessado o crime. Mas esta afirmação não está no papel. O depoimento à Comissão de Sindicância é claro: o secretário de Fazenda teria dito que era necessário “ajudar o senhor Jordão”, que passava por dificuldades financeiras.

Também disse

Monsignati é bem claro em seu depoimento. Alertou ao secretário sobre os riscos e o mesmo disse que eram necessárias as operações.

Em outra rádio

Na DBC FM e na Rádio São Carlos AM, o vereador Freire (PSDB) foi enfático: jogou o fardo da culpa sob as costas de Sérgio e na primeira emissora ainda disse que o servidor cometeu ato semelhante ao banditismo.

Viciada

Enquanto isso, o ex-secretário de Fazenda, senhor Poianas, sai com a pecha de “omisso”, saindo apenas ao fim da sindicância. Em seu depoimento, disse: que o diretor financeiro era de “extrema confiança” e que “nunca lhe informou sobre tais cheques”. Se alguém não tomar uma providência séria, a culpa recairá sobre o mordomo, o que é triste.

Sentimento

O sentimento nas ruas é único: este governo recebeu o manto da corrupção para se cobrir. O prefeito pode até tentar colar a imagem de austeridade e honestidade, mas é um adesivo sem cola. Que estrada tortuosa que a cidade escolheu...

A carta

Esta coluna também recebeu a carta em que o ex-prefeito Newton Lima promove uma “vaquinha” para pagar R$ 258 mil referentes a uma ação em que foi condenado por pesquisa de avaliação de governo.

A carta II

Ele considera a pena injusta: “Ocorre que não posso mais continuar correndo o risco de sequestros de valores da minha conta bancária e de ver meus poucos bens indo a leilão. Trata-se do apartamento no qual moro em São Paulo (ainda financiado junto à Caixa) e um automóvel Ford/Fusion ano 2009 com 380 mil quilômetros rodados. O valor pago pela Prefeitura para a empresa vencedora do certame foi de R$ 47.874,00 que atualizados pelas regras da justiça e multas decorrentes importam hoje em R$ 258.237,83”

Avaliação

Newton continua: “Como não disponho do referido recurso para depositar junto à Fazenda Pública e levando-se em conta que a referida condenação não decorreu de qualquer ato ilícito por mim praticado, mas foi derivada da minha atuação como chefe de executivo municipal, acho justo pedir a inestimável ajuda financeira a todos aqueles e aquelas que se sintam comprometidos direta ou indiretamente com um projeto político que produziu tantos avanços, ajudou tantas pessoas, recebeu inúmeros prêmios e terminou muito bem avaliado, com 91% de aprovação pelo Ibope”

Sobre a enquete...

...Newton Lima diz: “O fato é que em virtude da dramática situação financeira no qual encontramos o munícipio, das inúmeras deficiências e insuficiências dos serviços públicos e da inexistência de programas sociais inclusivos, nosso governo resolveu contratar por licitação uma enquete exclusivamente para avaliar a gestão nas diversas áreas e, assim, melhor definir o conteúdo das políticas públicas a destinação dos escassos recursos disponíveis”.

Culpa

Newton culpa o instituto de pesquisa por ter inserido as questões de avaliação pessoal do seu governo: “Além disso, no transcorrer do processo, não se encontra nenhuma prova de que tivemos a intenção de incluir tais questões no formulário, mas, segunda a justiça paulista, houve um ‘conluio perfeito que caracterizou o motivo partidário-ideológico da pesquisa’”

Derrota

Newton também fala da derrota na eleição passada, à Câmara dos Deputados: “Recorde-se também, que a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) foi devastadora não só em relação à minha reputação e ao bloqueio dos meus bens como pela abreviação da minha carreira político-eleitoral. Isto porque em função da Lei da Ficha Limpa, minha inscrição à reeleição para Deputado Federal só foi homologada pelo TSE na véspera do pleito de 2014 para alegria dos meus adversários políticos que não hesitaram em inundar São Carlos de panfletos apócrifos e mentirosos na madrugada do domingo do pleito, numa atitude criminosa até hoje não investigada que produziu para eles os efeitos desejados. Como resultado alcancei apenas a 7ª suplência na bancada paulista do PT na Câmara Federal”

Quem quiser ajudar...

Quem quiser ajudar a pagar o processo, a conta é: Banco do Brasil. Agência: 4884-4. Conta Corrente: 279.047-5”

Clima esquentou

Nesta sexta-feira o advogado Dhony Oliveira (Paraná Filho),esteve na Rádio São Carlos, participando do Fala São Carlos. Porém o que chamou atenção não o tema principal da entrevista (Escândalo dos Cheques na Prefeitura Municipal) e sim o bate boca dele com o apresentador Leandro Guerreiro.

Clima esquentou II

Os dois são pré-candidatos a vereador e possuem certa liderança nos bairros da grande Cidade Aracy. A briga entre eles deve ser boa na campanha. Ambos antes de tomarem suas atuais posições políticas, foram apoiadores de Paulo Altomani e hoje não são mais. Esse foi o motivo da discussão entre ambos no ar.

Denúncia

Entre as várias denúncias feitas pelo advogado, uma chamou atenção. Ele disse que o secretário afastado da Fazenda, José Roberto Poianas continua dando expediente na Prefeitura. Dhony não foi a primeira pessoa que falou isso, a coluna também por outras fontes recebeu a mesma informação. E aí prefeito, isso é verdade?

A resposta

A Secretaria Municipal de Comunicação, respondeu ao questionamento acima: "O secretário afastado esteve apenas uma vez após o afastamento para buscar objetos pessoais.e não dá expediente na Prefeitura". Registrado

Esclarecendo o “Num intindi?”

Na coluna da quarta-feira a coluna divulgou que o vereador Ditinho Matheus (PMDB), teria dito no programa Fala São Carlos da terça-feira que ele teria defendido a Comissão Processante. Ainda escrevemos “se não ouvimos errado”.

Esclarecendo o “Num intindi?” II

Segundo a assessoria do verador, ouvimos errados sim. Ela informou que o parlamentar em nenhum momento defendeu a Comissão Processante e sim a criação de uma CPI, conforme ficou acertado em reunião que ocorreu entre todos os vereadores na segunda-feira.

Até sexta-feira

“De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. (Rui Barbosa). Fale com a gente: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

 

 

 



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo