Av. Trabalhador São-Carlense
(sentido Centro/Bairro)
60 km/h
Av. Trabalhador São-Carlense
(sentido Bairro/Centro)
60 km/h
Rua Joaquim Rodrigues Bravo
(Centro/Bairro)
50 km/h

A IV Mostra em Saúde e Segurança do Trabalhador “Os Reflexos das Reformas na Saúde do Trabalhador: Os desafios para os sindicatos”, uma realização do Centro de Referência em Saúde do trabalhador (CEREST), Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Região, Intersindical São Carlos e Região, da Comissão Intersetorial de Saúde do trabalhador (CISTT) CMS São Carlos, sindicatos e apoio da Prefeitura Municipal de São Carlos, aconteceu nesta sexta-feira (15), no auditório do Paço Municipal.

A proposta foi debater diversos temas ligados à saúde e segurança do trabalhador para viabilizar encaminhamentos através de uma ação intersindical para a garantia dos direitos, saúde e segurança.

Durante a abertura compuseram a mesa de autoridades Erick Silva, representando a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos FEM -CUT/SP, o secretário municipal de Trabalho, Emprego e Renda, Walcinyr Bragatto, Antonio Lopes Bastos, representando a Intersindical São Carlos e Região, professor Paulo Bento, representando o Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar e João Carlos Tavares, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos.

Durante todo o dia mesas de debates discutiram o processo de adoecimento, a importância da notificação e o papel dos Sindicatos, com a equipe técnica CEREST/Araraquara; o direito processual coletivo e individual nas reformas e o papel dos sindicatos tendo como palestrantes advogados e representantes do Departamento Jurídico do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Região e do Departamento Jurídico do Sindicato dos Empregados no Comércio de São Carlos e Região.

A Mostra foi finalizada com o debate entre Ministério Público do Trabalho, Gerência Regional do Trabalho e Ministério Público de São Paulo e palestra ministrada pelo procurador do Ministério Público Federal, Rafael de Araújo Gomes que abordou a reforma trabalhista e da previdência.

Sobre a iniciativa de realização da IV Mostra, Erick Silva representando a FEM-CUT/SP, ressaltou ser uma excelente oportunidade de debater um tema tão determinante para a vida dos trabalhadores que é a saúde. “Não é possível que o ambiente de trabalho nos vitime, nos adoeça ou acabe com a nossa vida como infelizmente tem acontecido rotineiramente no Brasil. Infelizmente nos últimos 40 dias nós tivemos quatro trabalhadores em São Carlos que perderam a vida desenvolvendo suas funções em postos de trabalho e isso é absolutamente penoso, deprimente, desumano e bárbaro e que afeta todos nós”, disse Silva.

Para Antonio Lopes Bastos representando a Intersindical “é preciso debater propostas e encaminhamentos para a garantia de direitos, melhores condições de trabalho, segurança e saúde, tendo sempre como interesse poder socorrer o trabalhador”.

Paulo Bento, representando o Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar, ressaltou que o tema da Mostra é extremamente relevante porque trata da saúde das pessoas e da saúde no trabalho. “É preciso debater o impacto que as reformas trabalhistas, que passam a vigorar a partir de novembro, terão sobre a saúde se elas não forem combatidas, ou melhor, regulamentadas e enfrentadas de maneira ativa e forte porque saúde não são só acidentes, o ser humano não se divide só no físico, mental, no cognitivo e no psíquico ele é inteiro e as condições de trabalho são centrais na nossa vida”, destacou o professor Bento.

O secretário municipal de Trabalho, Emprego e Renda, Walcinyr Bragatto, explicou que a Secretaria tem uma preocupação muito grande de não negligenciar da responsabilidade enquanto poder público municipal na conciliação de todos os encaminhamentos necessários no que diz respeito à saúde do trabalhador atuando com proximidade de todos os setores.  “Os sindicatos e a Intersindical e todas as instituições que tem participado das nossas reuniões setoriais da Comissão Municipal de Emprego tem trazido para nós essa preocupação em relação à saúde do trabalhador, uma participação ativa e significativa na construção de propostas que venham contemplar o direito do trabalhador na nossa cidade, não só no local de trabalho, mas também no de convívio da cidade, o ir e vir para o trabalho”, disse Bragatto.

 



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo